fbpx

Jornal

NOVOS CURSOS VÊM AÍ

Tudo indica que, até meados de junho do ano que vem, a pandemia deva estar sob controle. Precisamos voltar com nossos cursos em sua cidade. Sempre que tenho oportunidade de conversar com algum cliente, pergunto se ele está usando todas as ferramentas que ofertamos nos sistemas, especialmente as mais recentes que criamos para facilitar o trabalho dele. Fico surpreso ao ouvir dele que não sabia da disponibilidade dessas ferramentas. Gente, os sistemas da Sibrax são inteligentes e fazem quase tudo automaticamente. Vamos voltar a dar os cursos assim que for possível. E oque é melhor: É de graça!!

Leia mais »

O SUPORTE NÃO VAI PARAR

Os funcionários da Sibrax entrarão em férias coletivas no próximo dia 22 e retornarão no dia 4 de janeiro de 2021. Devido à demanda de suporte nesse período, vamos deixar funcionários de plantão para atender você.

Leia mais »

13o DE NOVO

São tantos os detalhes do 13o salário que temos de voltar a esse assunto várias vezes. Não esqueça que amanhã vence o INSS incidente sobre o 13o salário. Também vence o prazo para o pagamento da segunda parcela do 13o. Acabou aí? Não, para alguns casos, não! Existe a terceira parcela do 13o que deve ser paga em janeiro. Trata-se das remunerações variáveis que muitos trabalhadores recebem, como gratificações, comissões, horas extras, descansos semanais, entre tantas outras verbas que compõem os salários dos empregados. O cálculo da segunda parcela do 13o é feito pela média dessas remunerações que o empregado teve até o mês de novembro. Logo, essas remunerações que o empregado vai receber em dezembro deverão compor o 13o complementar a ser pago em janeiro. O prazo para o pagamento da diferença do 13o é até o dia 10 de janeiro de acordo com o Decreto no 57.155/1965. Entretanto há também o entendimento de que ele deve ser efetuado até o quinto dia útil de janeiro de acordo com o art. 459 da CLT. A Folha da SIBRAX faz corretamente os cálculos da complementação do 13o salário. Fique tranquilo.

Leia mais »

NÃO FIQUE DESPROTEGIDO: PREVINA-SE

A privacidade das informações de pessoas é coisa séria. O vazamento de informações pessoais e a exposição da privacidade de alguém poderão lhe custar caro. Com o advento da Lei no 13.709, de 14/8/2018, e alterações posteriores, a invasão ou exposição de privacidade de seus funcionários ou de seus clientes poderão lhe render multa de 2% do seu faturamento. Nesse sentido, você deverá elaborar um termo em que o usuário de dados afirma conhecer e aceitar explicitamente as condições de uso de informações e de privacidade. A Sibrax também precisa se proteger. Por isso estamos elaborando os Termos de Uso e Política de Privacidade de nossa empresa. Em breve, estaremos disponibilizando esse documento para você ler e dar seu aceite. Você também deverá fazer esse documento, para cada um de seus clientes dar seu aceite. Se você quiser, poderá usar o documento da Sibrax como modelo e fazer as devidas adaptações conforme suas atividades.

Leia mais »

OS SÓCIOS DECIDEM

Vamos tratar nesta matéria de sócios cotistas de sociedades limitadas e assemelhadas. As sociedades anônimas têm tratamento diferenciado em relação ao assunto aqui abordado. O Código Comercial Brasileiro data de 1850. É atualmente um dos mais antigos diplomas legais em vigor no Brasil. Atualmente ele trata do Direito Comercial Marítimo, haja vista que o Código Civil Brasileiro de 2002 revogou os demais assuntos comerciais e societários de que tratava o Código Comercial. Dentre as várias alterações trazidas no Novo Código Civil em relação às sociedades comerciais, está a distribuição de lucros. Atualmente o lucro não é necessariamente distribuído aos sócios na proporcionalidade da participação deles no capital social. Em assembleia de cotistas, convocada especialmente para esse fim ou com previsão contratual, os sócios podem aprovar a distribuição de lucros de acordo com os critérios por eles estabelecidos. Um dos sócios pode ter mais de 50% de participação no capital social da sociedade e receber menos lucros que os sócios com participação menor. Cada sociedade deve ter seus parâmetros justos de distribuição dos lucros aprovados por maioria de votos entre os sócios cotistas.

Leia mais »

MUITOS BICHOS FAMINTOS

Temos impostos federais, estaduais e municipais. O leão é imposto federal, a onça é estadual e a jaguatirica é municipal. Não importa o tamanho do bicho, ele vai comê-lo vivo. A fome é tamanha que um terço do que você ganha vai para o bucho deles. Antes da Constituição de 88, a carga tributária era bem menor. O ICM era de 12%, puseram mais uma letra (S) na sigla, ela virou ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), e a alíquota de vários produtos e serviços agora chega até a 29%. Não havia a COFINS. Agora existe essa “contribuição”, que é de 3% sobre o rendimento da empresa. Já está no Congresso projeto de lei para aumentar essa contribuição de 3% para 12%. Que absurdo se isso passar! Também não havia CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), agora há e é de 9% sobre o lucro. O Imposto de Renda fica com 15% do lucro. Criaram, há mais de 30 anos, um adicional de 10% sobre o lucro que ultrapassar R$ 20 mil no mês. Esse valor nunca foi corrigido, está tão defasado que qualquer empresa, por menor que seja, paga esse adicional. A contribuição para o INSS era de 8% para o empregado e de 8% para o empregador. Hoje o empregado contribui com até 14% de seu salário e o empregador, com 20%. Os cofres dos governos de todas as esferas são um saco sem fundo. Osvaldo Lima  

Leia mais »

FICOU FÁCIL, MAS TEM DE SER A1

Apresentamos, no jornal de ontem, a mais nova ferramenta que ajudará você e seu cliente. Com a busca automática de impostos e encargos, você realmente economizará tempo e haverá ainda mais precisão nos lançamentos contábeis. Mas, para você conseguir ter esse serviço, é preciso que você utilize o certificado digital A1. Embora um pouco mais caro que o A3, o certificado A1 traz mais benefícios e menos manutenção. Na relação custo-benefício, o certificado A1 é compensador.

Leia mais »

MAIS UMA PROMESSA CUMPRIDA

Desta notícia você vai gostar. Já está disponível a nova versão do Livro Fiscal. Qual a novidade? Pois bem, no sistema do Livro, no menu LANÇAMENTO, você encontrará a ferramenta BAIXA DE IMPOSTOS. Veja que bacana isto: você indicará a empresa que quiser consultar, digitará o mês e o ano da consulta, e o sistema buscará, no banco de dados da Receita Federal, todos os impostos (DAS e DARF) e parcelas do INSS dos últimos cinco anos devidos ou quitados por essa empresa que você  selecionou. No relatório, vão constar os impostos e encargos pagos e aqueles que não foram pagos. Assim você poderá alertar seu cliente sobre a falta de pagamentos. E mais, quando você fizer a importação do Livro para a Contabilidade, o sistema vai gerar AUTOMATICAMENTE na contabilidade os lançamentos dos impostos e do INSS, vai dar baixa na  contabilidade também AUTOMATICAMENTE e, se o pagamento foi com juros e multas, esses encargos também serão lançados. Essa nova ferramenta dará precisão nos lançamentos contábeis além de alertar falta de pagamento dessas obrigações por parte de seu cliente. Em breve teremos mais novidades.  Aguarde!

Leia mais »

MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

Uma empresa pode ser enquadrada na categoria de microempresa ou empresa de pequeno porte e não ser optante pelo Simples Nacional; sua opção tributária poderá ser pelo lucro presumido ou pelo lucro real. Veja no quadro abaixo mais algumas obrigações legais dispensáveis às microempresas e empresas de pequeno porte: a) afixação de quadro de trabalho em suas dependências; b) anotação das férias dos empregados nos respectivos livros ou fichas de registro; c) comunicar ao Ministério do Trabalho (MT) a concessão de férias coletivas. Por outro lado, as empresas ME e EPP continuam obrigadas a: a) efetuar anotações na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), inclusive por ocasião de férias coletivas; b) enviar a Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social (GFIP) informando todos os fatos geradores de recolhimento previdenciário e depósito de FGTS, inclusive no caso de concessão de férias coletivas; c) enviar, com antecedência mínima de 15 (quinze) dias, cópia dacomunicação de férias coletivas ao sindicato de classe da respectiva categoria profissional. Fundamentação: “caput” e §§ 2o e 3o do art. 139 da CLT; arts.

Leia mais »

FÉRIAS COLETIVAS? CUIDADO!

Geralmente no mês de dezembro, boa parte das empresas concede férias coletivas aos seus empregados. Neste ano, alguns cuidados devem ser tomados. As microempresas e empresas de pequeno porte estão dispensadas de comunicar à Secretaria do Trabalho do Ministério da Economia a concessão de férias coletivas com antecedência de 15 dias. Os demais empregadores estão obrigados a fazer a comunicação nesse prazo legal. A comunicação à Secretaria do Trabalho deve ser feita pela internet. Quando o empregado tem menos dias de férias proporcionais em relação à quantidade de dias de férias coletivas em função do seu tempo de serviço, a diferença deve ser paga como licença remunerada. Sobre a licença não tem o terço constitucional. Exemplo: o empregado foi admitido em 1º/10/2020, e a empresa vai dar dez dias de férias coletivas a partir de 1º/12/2020. O empregado tem apenas cinco dias de férias proporcionais. Nesse caso, ele deve receber cinco dias de férias com 1/3 e cinco dias a título de licença remunerada. Em casos assim, novo período aquisitivo das férias começa a ser contado, desconsidera-se a data da admissão para a contagem do período aquisitivo das férias. Nesse exemplo, o novo período aquisitivo de férias começaria em 1º de dezembro em vez de 1º de outubro. Neste ano, em virtude da pandemia de covid-19, houve a possibilidade da suspensão temporária do contrato de trabalho. A Secretaria do Trabalho já se pronunciou através de nota técnica que, no período aquisitivo das férias daqueles que tiveram a suspensão do contrato de trabalho, deve ser acrescentada a quantidade de dias da suspensão, ou seja, será postergado o período aquisitivo de férias nos casos das suspensões de contrato. Nesses casos, como ficarão as férias coletivas? Poderão ocorrer situações em que a quantidade de férias proporcionais calculadas em relação aos meses trabalhados poderá ser inferior à quantidade de férias coletivas. Em casos assim, aplica-se também a licença remunerada e deve-se contar novo período aquisitivo das férias. Todavia a Secretaria do Trabalho poderá se pronunciar de forma diversa. O sistema da Folha de Pagamento da Sibrax vai fazer as férias coletivas observando o que aqui expomos.

Leia mais »